terça-feira, 17 outubro, 2017.

Arquivos diários: 4 de outubro de 2017

Venda de veículos sobe 24,5% em setembro, revelam números da Fenabrave

A venda de veículos novos aumentou 24,5% em setembro na comparação com o mesmo mês do ano passado, indicam dados divulgados nesta terça-feira (3) pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). No mês passado, foram vendidas 199.227 unidades, contra 159.953 de um ano antes. No acumulado do ano, o total é de 1,62 milhão de unidades vendidas, ou 7,356% a mais do que de janeiro a setembro de 2016.

O resultado global de setembro foi 7,36% inferior ao de agosto, quando foram comercializados 217 mil veículos. Considerando que setembro teve três dias úteis a menos, a média diária do mês passado foi maior. Por isso, a análise dos números do ano revela um cenário de recuperação consistente do setor este ano.

Com 193,5 mil emplacamentos, automóveis, furgões e picapes foram os maiores responsáveis pela alta no setor, com crescimento de 24,9% na comparação anual e de 7,86% no acumulado do ano diante de igual período de 2016.

O aumento na comercialização de ônibus foi ainda maior. No mês passado, foram vendidas 1.105 unidades, o que representa 33% a mais do que em setembro de 2016. A venda de caminhões também cresceu, mas ainda em ritmo menor. A venda de 5.647 unidades representou alta de 9,3%.

A expansão na comercialização dos pesados, no entanto, ainda não é suficiente para compensar os números ruins do início do ano. No período de janeiro a setembro deste ano, ainda há uma redução de 7% sobre 2016.

O mercado de motocicletas foi o único que apresentou resultado negativo em setembro, na comparação com um ano antes. Foram vendidas no mês passado 66.237 motocicletas, 4,9% a menos que em setembro de 2016.

4f8be48117e340ef916921a78ff37a4a

Mossoró concentra quase 40% dos casos de hanseníase notificados no RN

A Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap) diz que Mossoró é o município do estado com mais casos de hanseníase notificados em 2017.

Do total de 132 registrados nos nove primeiros meses do ano, a Capital do Oeste notificou 49 casos da doença. Logo em seguida, aparece a região Metropolitana com 25 casos.

Segundo a Sesap, os precisam estar atentos para detectar e tratar precocemente os casos novos, para interromper a cadeia de transmissão e prevenir as incapacidades físicas consequência da doença não tratada.

Os principais sintomas da doença são manchas na pele nas cores brancas, vermelhas ou marrons e também dormentes, ou seja, sem sensibilidade ao toque e a dor. Neste caso, a pessoa deve procurar uma unidade básica de saúde para diagnóstico. O tratamento é gratuito, e dura de 06 meses a 01 ano, dependendo da gravidade do caso.

“A Hanseníase tem cura, o tratamento é gratuito e é necessário reduzir o preconceito com relação à doença, os pacientes não precisam ser isolados socialmente e devem continuar suas atividades laborais e de vida diária normalmente”, disse Paulo Nóbrega, coordenador estadual do Programa de Controle da Hanseníase.

A hanseníase é uma doença milenar conhecida por lepra desde os tempos bíblicos que traz consigo a marca do preconceito, discriminação e exclusão social. É uma doença de notificação compulsória e investigação obrigatória, devendo-se monitorar o progresso da eliminação da doença que ainda é considerada um problema de saúde pública. No Rio Grande do Norte, desde 2005, através da Lei Nº 8.685, foi instituído o dia 30 de setembro como “Dia Estadual de Controle à Hanseníase”.

fc27d66134b3d2d5f502bc3fbc580e9d

Sem transplante de medula há um ano, 20 crianças morreram à espera de tratamento no RN

Sem realizar transplantes de medula óssea há cerca de um ano, o Rio Grande do Norte perdeu 20 crianças que morreram à espera do tratamento necessário para doenças como a Leucemia. O dado é da Hatmo – associação Humanização e Apoio ao Transplantado de Medula Óssea. Muitos desses pacientes já contavam com doadores, mas não tiveram possibilidade de realizar o procedimento.

A vítima mais recente foi José Mendonça, de 12 anos, sepultado nesta terça-feira (3). “Ele foi encaminhado para fazer o transplante em Jaú (estado de São Paulo), mas como os tramites demoram, quando ele chegou lá a medula já estava contaminada”, revela a presidente da Hatmo, Rosali Cortez. A doença voltou e o menino não resitiu ao novo tratamento.

Os transplantes de medula foram suspensos, segundo a Secretaria Estadual de Saúde, por várias questões, tais como mudanças de equipes técnicas e habilitação vencida. As cirurgias em adultos serão retomadas na próxima semana, mas não há prazo para a retomada dos procedimentos pediátricos.

Rai Rodrigues, de 9 anos, segue sem conseguir tratamento, apesar de ter uma doadora 100% compatível. G1 contou a história dele há uma semana. A criança luta contra a leucemia há quatro anos e a irmã, com um ano de idade, tem toda capacidade de doar uma medula saudável para ele. Apesar de a Secretaria de Saúde ter informado que ele passaria por uma consulta para realizar a cirurgia em outro estado, a família ainda não foi contatada.

O medo da mãe de Rai, Fernanda Rodrigues, é que o filho não tenha tempo. “Nenhuma mãe quer perder seu filho. E saber que você tem um doador e a chance passar por suas mãos é muito dificil. Se eu pudesse fazer com minhas próprias mãos, faria”, diz ela.

Procurada para comentar o caso, a Central de Transplantes informou que o garoto não poderia entrar nos primeiros lugares nas filas de espera em outros estados. Não há prazo para que ele consiga o procedimento.

Sem os transplantes, cresce o número de mães que choram pela falta de oportunidade relegada aos seus filhos. Brenda Lopes perdeu Áylla, com apenas dois anos e meio da idade, em maio de 2017. O pai era doador compatível com a menina, mas ela não suportou a espera. Hoje, a mãe luta para que outras crianças não passem pelo que a pequena passou. “A maior chance de vida da minha filha, eles (governantes) não nos deram, eles tiraram isso da gente. Eles não podem tirar vidas de crianças. Estão lidando com vidas de pessoas que poderiam ter um futuro”, lamenta.

Por Igor Jácome e Marksuel Figueredo, G1 RN/ Inter TV Cabugi

incendio

Visita de Robinson a Mossoró passa despercebida

Que os números do governador Robinson Faria beiram o abismo já se é público e notório. Uma mostra disso foi a visita pífia que fez a Mossoró. Sem brilho e sem que o popular soubesse que o seu governador estaria na cidade de Santa Luzia.

Robinson veio inaugurar algumas reformas sem expressão alguma. Posou para fotos, como sempre, mas não comentou que o mês de setembro foi o mês mais violento da história do Rio Grande do Norte. O governador da segurança também não comentou sobre o atraso de salários que ocorre desde o início do seu governo.

O governador participou de alguns atos em Mossoró ao lado da vereadora Sandra Rosado, condenada há mais de nove anos de prisão. Representou o município a vice-prefeita Nayara Gadelha.

O popular cansou de pompas e quer ver atitudes concretas para a diminuição efetiva do número alarmante da criminalidade em Mossoró. Até agora não houve pronunciamento nem do governador e nem da prefeita quanto a violência que já vitimou mais de 170 pessoas

“O governador da segurança tem que dar conta dos policiais que morreram”

O presidente da Associação do Corpo de Bombeiros do RN, Dalchem Viana, não economizou nas críticas ao governador Robinson Faria no que diz respeito à segurança pública no Rio Grande do Norte.

“Vai morrer médico, vai morrer policial, vai morrer bombeiro. Tá na hora do Estado acordar. Qualquer coisa que o governo do estado faça é melhor que o que ele tá fazendo hoje: nada”

Ele denunciou a pouca integração entre as agências policiais e o descaso do governo do estado com o que classificou como barbárie. As delegacias viraram cartório np RN.

Ele também responsabilizou o governador Robinson pelos 16 policiais, 1 guada civil e 1 agente penitenciário mortos em 2017.

” O governador da segurança tem que dar conta dos policiais que morreram porque foi falta de política pública. O Estado está perdido”.

Ainda segundo o presidente, apenas 10% dos homicídios registrados neste ano estão sendo investigados.

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja também