domingo, 21 janeiro, 2018.

Arquivos diários: 3 de janeiro de 2018

Governo publica resultado definitivo da 3ª fase do concurso dos Bombeiros

O Governo Estado, por meio da Comissão Especial do Concurso Público para provimento de vagas para Soldado e Oficial do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte (CBMRN), divulgou nesta quarta-feira (3) o resultado definitivo do Exame de Avaliação de Condicionamento Físico – conhecido como Teste de Aptidão Física (TAF) -, correspondente a 3ª fase do concurso, tanto do concurso para Soldados, quanto para o de Oficiais. A lista com o resultado, bem como a consulta individual e a interposição de recursos, está disponível no site www.idecan.org.br.

Para o cargo de soldado, foram convocados para realização do Exame de Condicionamento Físico 208 candidatos, sendo que destes 45 foram considerados inaptos, 10 não compareceram para realizar o exame e um candidato foi eliminado. 152 candidatos seguem para a 4ª fase do concurso. Já em relação ao concurso para oficiais, 64 candidatos foram selecionados para a 3ª fase, sendo que 48 foram considerados aptos, 15 inaptos, e apenas um candidato não compareceu ao exame.

O Exame de Avaliação de Condicionamento Físico (EACF) constitui-se na realização de um conjunto de testes, com cargas de exercícios físicos que avaliam parâmetros de força, coordenação, capacidade aeróbica e anaeróbica, permitindo classificar o estado físico no momento da execução dos testes, devendo o candidato cumprir com habilidade o que lhe é exigido, obtendo os índices previstos nas respectivas tabelas para o masculino e para o feminino.

A próxima fase dos dois concursos será a Avaliação Psicológica. Os candidatos classificados e considerados aptos nas três primeiras etapas serão convocados para esta fase. Essa etapa tem caráter somente eliminatório e será realizada somente em Natal-RN, em local e data a serem divulgados nos próximos dias nos sites www.cbm.rn.gov.br e www.idecan.org.br.

A Avaliação Psicológica, para fins de seleção, é um processo realizado mediante emprego de um conjunto de procedimentos objetivos e científicos, que permite identificar aspectos psicológicos do candidato para fins de prognóstico do desempenho das atividades relativas às diferentes patentes do Quadro de Praças Bombeiro Militar. Tais atividades submetem a forte pressão externa e emocional, porte de arma de fogo, risco de morte, de invalidez, de contágio por doenças, de degeneração do estado de saúde mental, de lesão corporal, de responsabilidade civil, penal e administrativa.

O exame psicológico, amparado na Lei Complementar Estadual nº 360, de 21 de julho de 2008, consistirá na avaliação objetiva e padronizada de características cognitivas e de personalidade dos candidatos, mediante o emprego de técnicas científicas, autorizados pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP). Para tanto poderão ser utilizados testes, questionários, inventários, anamnese e procedimentos complementares.

bombeiros

Policial tenta se matar no 4o Batalhão da PM/RN

A falta de pagamento por parte do Governo do Estado aos agentes de segurança quase terminou em tragédia no 4º Batalhão de Policia Militar (BPM). Um policial militar se trancou em um dos alojamentos e ameaçou tirar a própria vida em um ato de desespero.
O policial, que terá seu nome resguardado pela reportagem,se apresentou para o serviço em seu batalhão e, durante a visita do Comando do Patrulhamento Metropolitano, ele se trancou no alojamento e afirmou que iria retirar a própria vida com um tiro na cabeça.
Após ser convencido pelos companheiros e o comandante do CPM, o coronel  Zacarias Mendonça, o policial informou que “ele e sua família estavam sem ter o que comer e disse que os filhos estão em casa chorando sem alimentos, ou sequer leite”.
O caso gerou comoção dos policiais, que sem esconder a decepção choravam de desespero junto com o colega. O policial foi dispensado do serviço e esta sob cuidados da junta médica da PM.
O Governo do Estado realizou o pagamento de novembro dos servidores que recebem até quatro mil reais na última sexta-feira (29), porém até o momento os salários de quem recebem acima dos R$ 4 mil e os meses de dezembro e o 13º ainda não tem previsão de pagamento.
Por Geraldo Miranda/Portal no Ar – Foto Soldado Gláucia
aa

Tarifa de ônibus já é de R$ 3,30 em Mossoró

Alguns usuários do transporte público de Mossoró tiveram uma suspresa ao entrar no ônibus nesta terça-feira (2): a passagem que era R$ 2,95 aumentou para R$ 3,30.

Mossoró conta com 10 linhas de ônibus, cerca de 9.500 mil pessoas utilizam o transporte público da cidade. 42% dos passgeiros têm o benefício da gratuidade. O novo preço da passagem divide opinões, muitas pessoas não gostaram, mas há quem ache justo. “A gente observa que houve um acréscimo dos custos, como o combustível, e com outros insumos” relata o jornalista, Regy Carte.

“É complicado uma cidade do interior ter uma passagem de R$ 3,30 e o serviço ainda é muito deficitário”, disse o auxiliar administrativo Francisco Júnior.

Decreto foi assinado no fim do ano passado pela prefeita Rosalba Ciarlini.

10506-1

Com algemas nos punhos, policiais civis se apresentam para serem presos em Natal

Em greve desde o último dia 20 de dezembro, policiais civis do Rio Grande do Norte se apresentaram na Delegacia Geral de Polícia, na manhã desta quarta-feira (3), em Natal, para serem presos. O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte considerou o movimento ilegal e determinou a prisão de policiais da ativa e da reserva que incentivem, promovam ou defendam a greve.

Durante a tarde desta terça-feira (2), em assembleia, os policiais decidiram que permanecem trabalhando em regime de plantão, mesmo diante da possibilidade de serem presos. Por causa da greve, apenas as delegacias de plantão e as regionais funcionam no estado. A categoria cobra o pagamento dos salários de novembro, dezembro e do 13º. Sem policiamento, houve aumento da violência no estado. O governo federal enviou 2,8 mil homens e mulheres das Forças Armadas, no último final de semana, para reforçar a segurança no estado.

“Se não fosse a família, estaria passando fome. Em 11 anos de polícia, nunca imaginei que eu, como homem da lei, teria que me algemar. Mas estou pronto para ser preso. Pelo menos na cadeia a gente vai ter o que comer”, afirmou o policial Severino Bezerra, de 52 anos, que atua na delegacia de São Gonçalo do Amarante e se algemou na sede da Polícia Civil.

O agente Pedro Paulo, de 31 anos, atua há cinco anos na Polícia Civil do estado e considera que os policiais estão “impossibilitados” de trabalhar. “São três meses sem receber. Os colegas não estão conseguindo pagar matrículas dos filhos na escola, não estão conseguinto pagar o aluguel e prover o mínimo para suas famílias. O pior é que não temos nenhuma ideia de quando isso vai se resolver. Por nós, voltamos a trabalhar normalmente amanhã. Nós não estamos em greve, estamos impossibilitados financeiramente e psicologicamente. A partir do momento que você tem que tirar da sua família, para ir ao trabalho, com que cabeça o policial vai atuar?”, questiona.

‘Estamos aqui pra receber voz de prisão’

Nilton Arruda, presidente do Sinpol, argumenta que os policiais não estão de greve. “Nós ressaltamos mais uma vez que os policiais não estão em estado de greve, estão em estado de necessidade. Eles estão cobrando o pagamento dos salários atrasados para que possam ter condições de se alimentar e de se deslocar ao trabalho e, então, exercerem suas atividades normalmente”, argumenta. Questionado sobre o risco de prisão, respondeu: “a gente está aqui para isso. Para receber voz de prisão”, declarou.

G1 procurou a delegada-geral Adriana Shirley, mas não teve as ligações atendidas. A assessoria da Delegacia Geral também foi procurada, mas afirmou que até o momento não há um posicionamento oficial sobre o ato.

Entre os policiais que se apresentaram na manhã desta quarta (3), o agente José Ubaldo, que tem 15 anos na corporação, considerou que não há motivo para ser preso, mas disse que não terá medo se isso acontecer. “A determinação é absurda. Não tem base legal nenhuma, nós não podemos ser presos, não tem meio legal para isso, no máximo fazer um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência). Não tenho medo de ser preso por aquilo que estou lutando”, considerou.

Crise

Com salários atrasados, o estado enfrenta paralisações da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros e da Polícia Civil. Eles pedem regularização dos salários atrasados e melhores condições de trabalho. Desde 19 de dezembro, PMs se negavam a sair dos batalhões da capital e do interior e policiais civis trabalham em regime de plantão. A PM voltou às ruas parcialmente nesta terça (2).

Os policiais civis e delegados também aderiram ao movimento. Desde o dia 20 de dezembro a Polícia Civil trabalha em regime de plantão, atendendo a população apenas das delegacias de plantão e regionais. Em 2017, o Supremo Tribunal Federal disse que greve de polícia e de agente penitenciário é sempre ilegal.

Ao longo dos 15 dias de paralisação, foram registradas 101 mortes violentas no estado. A média é de 6,7 pessoas mortas por dia. É praticamente a mesma média do ano todo, que teve 2.405 assassinatos.

Por G1 RN

whatsapp-image-2018-01-03-at-08.45.25

Veja também