quarta-feira, 23 agosto, 2017.
Geral

Geral

Nota do PSDB sobre Temer e Aécio abre nova crise no partido

Uma nota na qual o diretório do PSDB paulistano critica o encontro entre o senador Aécio Neves (MG) e o presidente Michel Temer, que aconteceu na sexta-feira, abriu uma nova crise no partido. A nota emitida neste domingo pelo vereador Mario Covas Neto, presidente do diretório municipal da sigla, afirmou que a presença de Aécio em reuniões com Temer causava “desconforto e embaraços”. “Prove sua inocência, senador, e aí sim retorne ao partido”, escreveu. No texto, o vereador afirmou que o único que pode falar em nome da sigla é o presidente em exercício, o senador Tasso Jereissati (CE).

O movimento do vereador não encontrou respaldo entre outras lideranças tucanas. Procurado pelo jornal O Estado de S.Paulo, Pedro Tobias, presidente estadual da sigla, defendeu que Aécio tem o direto de participar de encontros com Temer como senador e cidadão. “Acho lamentável”, disse Tobias, sobre a nota do diretório municipal. “Aécio foi sem representar o partido, já que está afastado. Ainda não foi condenado, é senador da República”, argumentou.

José Aníbal, presidente do Instituto Teotônio Vilela, considerou a nota “uma coisa totalmente fora de propósito”. “Quem fala em nome do PSDB somos todos nós, qualquer coisa diferente disso é censura. O Aécio é senador por Minas e se reuniu com o presidente para tratar da Cemig”, afirmou. Ainda sobre a nota, Aníbal reiterou: “o PSDB não pode conviver com esse tipo de censura”.

Em nota, Aécio Neves disse ter tratado de interesses da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) no último encontro com Temer, na sexta. “O PSDB tem responsabilidade para com a estabilidade política e a recuperação econômica do país, o que torna natural que lideranças do partido tenham conversas com o presidente e membros do governo”, diz o texto.

A nota de Aécio afirma que as questões internas do PSDB são travadas internamente, “sem qualquer participação do governo ou do presidente”.

Mário Covas Neto também passou a ser alvo de ataques do diretório do PSDB de Minas. “É muita infelicidade o vereador entrar em um assunto que ele desconhece e que é de importância para os mineiros”, disse o presidente do diretório, deputado federal Domingos Sávio.

Sávio também divulgou nota em que sugere que o vereador seja uma figura pouco expressiva dentro do partido. “Ele, que já foi alvo de acusações extremamente graves, que espero sejam injustas, devia ter aprendido que cabe a quem acusa ônus da prova”, escreveu o deputado, sem citar o caso em questão.

Revista Veja

Ex-governadores são indiciados por superfaturamento em estádio

Os ex governadores do Distrito Federal Agnelo Queiroz e José Roberto Arruda estão entre os indiciados pela Polícia Federal por suposto superfaturamento das obras do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha. O ex-assessor especial do presidente Michel Temer e ex-vice-governador do DF, Tadeu Fillipelli, também está na lista.

As investigações da Polícia Federal apontam um superfaturamento de quase R$ 560 milhões. O esquema fraudulento pode ter causado um rombo de R$ 1,5 bilhão de reais aos cofres do GDF.

No total, 21 pessoas entre gestores, servidores públicos e empresários constam no relatório, o documento traz supostas provas dos crimes de peculato, corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa.
Em maio, a Polícia Federal deflagrou a Operação Panatenaico para investigar organização que fraudou e desviou recursos das obras de reforma do estádio com base nas delações da Construtora Andrade Gutierrez, homologadas pelo Supremo Tribunal Federal.
Fillipelli, Agnelo e Arruda foram presos preventivamente e Fillipelli foi exonerado do cargo de assessor da presidência. Eles foram soltos dias depois.
Agora, o relatório será analisado pelo Ministério Publico Federal que deve decidir se vai apresentar denúncia contra os indiciados e, caso isso ocorra, eles responderão a uma ação penal.

TCU detecta fraude em um em cada dez benefícios pagos pela previdência

Ricos que fingem ser pobres, presidiários que reconhecem a paternidade de filhos de mulheres que nunca viram, crianças que recebem licença-maternidade, bebês indígenas que são adotados e esquecidos em suas tribos, homens que assassinam esposas fictícias e ciganos que mudam de identidade como trocam de cidade. Esses são alguns absurdos detectados na Previdência Social, pela força-tarefa — formada por Secretaria de Previdência, Ministério Público Federal (MPF), Polícia Federal e os ministérios do Trabalho e do Desenvolvimento Social.

Segundo o Tribunal de Contas da União (TCU) a Previdência paga, por ano, R$ 56 bilhões pelas fraudes e irregularidades, o que corresponde a um, em cada dez benefícios pagos.

Com um rombo recorde previsto para este ano, a Previdência é considerada um empecilho para o Brasil voltar a crescer. Em 2017, devem faltar R$ 185,8 bilhões para fechar a conta. Sem fraudes e erros, esse déficit poderia ser 30% menor.

“Pior que tá, fica!” Tiririca diz que não será mais candidato

Tiririca não costuma dar entrevistas. Mas ontem, ao sair de uma missa em Brasília, conversou com o repórter Diego Amorim.

Mesmo com a esposa ao lado pedindo para que ele dissesse que “ainda vai pensar”, o deputado garantiu que não será mais candidato a nada.

“Eu precisava do segundo mandato para passar na cara de alguns. Acho que está bom. Fiz história na política.”

Ele defendeu o chamado “efeito Tiririca”, alvo de duras críticas de seus pares no Congresso. E voltou atrás em seu slogan de campanha, ao afirmar que “pior que tá fica, sim”.

Fonte: O Antagonista

Professores da UERN aprovam indicativo de greve

Os professores da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte aprovaram nesta manhã indicativo de greve para o dia 01 de setembro.

A categoria cobra a atualização dos salários de julho e agosto. Caso o pagamento não seja efetivado até o dia 31 de agosto, a categoria se reúne no dia 01 para deliberar sobre a paralisação das atividades por tempo indeterminado.

Veja também