quinta-feira, 22 fevereiro, 2018.
Mossoró

Mossoró

Após perseguição e troca de tiros, Polícia Militar recupera carro roubado em Mossoró

A Polícia Militar,localizou na madrugada de ontem (08) um veículo tipo Honda Civic de cor branca transitando em atitude suspeita no Centro de Mossoró e ao se aproximar para uma abordagem, os indivíduos fugiram em alta velocidade.

Houve perseguição por várias ruas da cidade. Os criminosos fugiram para a Estrada do Óleo e após troca de tiros com policiais, das VTR Centro, Santo Antônio e Polícia Rodoviária Estadual, os criminosos abandonaram o veículo e fugiram pelo matagal.

O carro, que segundo a polícia foi roubado no dia 02 desse mês, nas proximidades do Hospital do Câncer no Abolição III, mas estava com as placas clonadas, ficou com perfuções de tiros e marcas de sangue.

A PM acredita que algum dos ocupantes do veículo tenha saído baleado durante o confronto. O carro foi encaminhado à Delegacia de Plantão para os procedimentos cabíveis.

Texto e foto: blog Fim da Linha

9935ba1eb9df635758639ca1c34f99d6 fbf3242e136bb4533aa938e8d279e34c

Conta de jogo virtual tem cancelamento confirmado por decisão judicial

Sentença proferida em Mossoró confirmou o banimento permanente de conta do jogo eletrônico League of Legends, administrado pela empresa Riot Games Serviços LTDA. O juiz titular da 2ª Vara Cível da Comarca, José Herval Sampaio Júnior, considerou que a empresa exerceu regularmente seus direitos, após considerar a violação do contrato pelo jogador.

A Ação de Obrigação de Fazer, cumulada com pedido de Restituição de Valores e Danos Morais foi proposta sob a alegação de ser o jogador usuário de League of Legends desde 2012. O autor teria investido a quantia de R$ 1.725,00 para a compra de produtos dentro do game. Em 22 de novembro de 2016, relatou ter recebido informação de que sua conta havia sido banida permanentemente, em virtude de violação dos termos de uso do jogo.

Na contestação, a empresa comprovou que o demandante praticou conduta conhecida como “elojob”, fornecendo a conta a outros usuários para que alcançassem pontuações maiores e evoluções de níveis.

Antes de decidir, o magistrado recordou que a relação entre os litigantes é consumerista (envolve consumo), pois a pessoa física estava se utilizando do game como destinatário final, enquanto a parte ré se amolda ao conceito de fornecedor. Para o magistrado, o cerne da questão reside em averiguar se a parte autora praticou conduta incoerente que justificasse sua expulsão perene e a rescisão do contrato.

“Nesse sentido, para comprovar a prática do “elojob”, o réu juntou aos autos extratos de acesso à conta do demandante onde é possível observar o login da referida conta em locais diferentes do mundo em curto lapso temporal, o que seria materialmente impossível, pelo que se infere que realmente ocorreu o compartilhamento dos dados cadastrais do usuário demandante para terceiros, evidenciando-se a prática”, constatou Herval Sampaio.

Além disso, consta dos autos também a informação de que o demandante, no ano de 2015, teve a sua mesma conta suspensa por duas semanas em virtude da prática do “elojob”, mas foi reincidente. “Dessa feita, tendo ocorrido o inadimplemento contratual pela parte autora ao violar os Termos de Uso do jogo League of Legends produzido pela demandada, o banimento do usuário demandante encontra-se respaldado pelo exercício regular de direito do réu, não havendo que se falar na prática de ato ilícito, motivo pelo qual julgo improcedentes os pedidos de restabelecimento da conta e devolução, em dobro, da quantia gasta dentro do jogo”, concluiu o magistrado.

O jogador foi ainda condenado ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios.

LEAGUE-OF-LEGENDS

Prefeitura esconde notícias de grande relevância

Informações importantes como exoneração de secretário e nomeação de secretário viraram “atos quase secretos” na gestão Rosalba Ciarlini (PP).

Não são divulgados sequer no portal da Prefeitura Municipal de Mossoró.

Se ninguém ler os registros legais dos atos administrativos no Jornal Oficial do Município (JOM), tudo passa despercebido.

Imagine questões relativas a aditivos de contratos, licitações, decisões sobre vantagens funcionais, dispensa de licitações etc.

Isso é incrível!

Vá entender!

Do blog do Carlos Santos

4109

Bandidos assaltam escritório do Tiro de Guerra em Mossoró

Dois elementos em uma moto, chegaram na manhã desta quarta feira 07 fevereiro 2018, em um Escritório do Tiro de Guerra 07010 Mossoró, localizado na Avenida Rio Branco, ao lado da Praça da Convivência, no Centro de Mossoró, e anunciaram um assalto com arma em punho. Equipes da Polícia e do GATE da Guarda Municipal foram acionados. Não foi divulgado oficialmente o que teria sido levado.

Texto e foto: blog Passando na Hora

27783425_1442151622561808_1588603800_n

Operação da PF prende suspeitos de envolvimento na morte de agente penitenciário em Mossoró

Duas pessoas foram presas pela Polícia federal na manhã desta terça feira (6), durante a segunda fase da Operação Força e Uniao (Não Passarão), que apura o homicídio do agente penitenciário federal Henri Charles em Mossoró, na região Oeste potiguar. O crime aconteceu em abril do ano passado.

Além dos mandados de prisão temporária, foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão na comunidade onde foi localizado o carro usado no crime. Segundo as investigações, pessoas que moram no local participaram da execução do agente público.

Segundo a PF, na primeira fase foram identificados os responsáveis pela cadeia de comando, ordem e levantamentos de informações para executar o agente público.

Plano para matar agentes

A primeira fase da operação foi deflagrada no dia 19 de julho do ano passado e, segundo a PF, visava desarticular um movimento organizado dentro de presídios federais com o objetivo de matar agentes penitenciários federais.

Cerca de 30 policiais federais cumpriram oito mandados de busca e apreensão, sendo quatro no Rio de Janeiro, quatro em São Paulo, um mandado de condução coercitiva no Rio de Janeiro, além de cinco mandados de prisão preventiva, sendo um em Mossoró, no Rio Grande do Norte, e quatro em São Paulo. Já havia a perspectiva de que novas prisões fossem decretadas.

À época, os investigadores apontaram que a facção criminosa Primeiro Comando da Capital assassinou dois agentes penitenciários federais em menos de um ano: Alex Belarmino Almeida Silva, em setembro de 2016, na cidade de Cascavel (PR) e Henry Charles Gama Filho, em abril de 2017, em Mossoró/RN.

No decorrer da investigação do homicídio de Alex Belarmino, foi descoberto que a facção tinha planos de executar dois agentes públicos por unidade prisional.

Já em relação a Henry, as investigações apontaram que sua morte havia sido planejada há dois anos na cidade de São Paulo, e que teve início através de integrantes do PCC envolvidos na coleta de dados, preparo da ação e com participação de pessoas próximas da vítima.

Impessoalidade

As investigações demonstraram, também, que não há pessoalidade nas ações do PCC, que escolhe seus alvos em razão das informações e de uma maior vulnerabilidade com o fim de se executar um plano preciso e sem deixar indícios de autoria.

Por G1 RN – Foto: Divulgação / PM

whatsapp-image-2017-04-12-at-17.48.42

Veja também