Assembleia vai analisar projeto que reajusta salários de comissionados do Estado

O governador em exercício, Fábio Dantas, encaminhou nesta sexta-feira, 3, à Assembleia Legislativa um projeto de lei que aumenta os salários dos cargos comissionados da administração, das fundações, das autarquias e de órgãos de regime especial estaduais.
Para os cargos de secretário-adjunto, subsecretário, diretor-geral, diretor-presidente, presidente, assessor especial de governo I, coordenador-geral e secretário executivo, a remuneração foi fixada em R$ 7.626,13 mensais.
Os cargos de coordenador, diretor de órgão, vice-presidente, chefe de gabinete, assessor, assessor especial de governo II, chefe de cerimonial, secretário particular de governador, assessor do vice-governador, gerente de projeto, chefe da procuradoria jurídica, diretor de unidade de saúde I e diretor de unidade penal passarão a receber R$ 5.217,88.
Já os cargos de subcoordenador, assessor especial de governo III, assessor parlamentar, oficial de gabinete, ajudante de ordens, secretário de gabinete do vice-governador, chefe de unidade instrumental, supervisor de Ciretran, diretor de unidade de saúde II, III e IV, chefe de departamento de unidade de saúde I e II, vice-diretor de unidade penal, assessor técnico da Secretaria de Estado de Assuntos Fundiários, de Colonização e de Apoio à Reforma Agrária (Seara) teve o salário fixado em R$ 3.010,31. Os chefes de grupos auxiliares passarão a ser remunerados em R$ 950.
Se a lei for aprovada, os comissionados que também sejam servidores públicos permanentes terão direito a manter a remuneração de servidor efetivo e também a receber uma gratificação de até 60% do valor do salário estabelecido pelo projeto.
De acordo com a lei, o valor do 13º deverá ser calculado com base na remuneração integral. O projeto também determina que os valores sejam revisados anualmente e reajustados na mesma proporção que os salários dos servidores públicos estaduais.
Segundo o vice-governador Fábio Dantas, a proposta não pesará nos cofres públicos, uma vez que o aumento será compensado com o fim das gratificações de representação de gabinete (GRG) e com a demissão de servidores não estáveis.

Deixe uma resposta