“É um governo de faz de conta”, diz Francisco José Jr a respeito da atual gestão

O ex-prefeito Francisco José Jr. deu sua primeira entrevista após deixar à Prefeitura de Mossoró em dezembro do ano passado. Falando ao jornalista Saulo Vale, na Rádio Rural, o ex-prefeito aborda diversas temas.

Robinson Faria: “Não tenho mais nenhuma relação com o governador. Fui traído. Nós acreditamos, ficamos à frente da campanha e ele não deu reciprocidade aos projetos que nós tínhamos aqui para Mossoró. Só temos a lamentar e desejar sucesso a ele. Não tenho tido nenhum contato com o governador. O último contato que eu tive com ele foi na campanha”.

Novo partido: “Ainda estou no PSD, fui convidado para ir para o PSC e PMN. Irei me desfiliar do PSD, provavelmente até o próximo mês já que o prazo é setembro. Não há mais chance de eu caminhar ao lado do governador Robinson”.

Dívida de R$ 130 milhões: “quem tem boca fala o que quer. Todos os prefeitos do país receberam as prefeituras em situação difícil. Todos sabem que a crise se agravou muito. Quando assumi a Prefeitura, quando Cláudia foi cassada, tinha mais de R$ 50 milhões de dívida. Tornei público, mostrei essa dívida. De maneira nenhuma há uma dívida de R$ 130 milhões. Acontece que em uma prefeitura, quando eu assumi, por exemplo, tinham mais de R$ 90 milhões de empréstimos. Essa dívida de empréstimos tende a aumentar, porque vai surgindo outras coisas. Tem precatórios que você divide, que vem de outras gestões, tem dívida de ISS… Então, ela (Rosalba) deve tá contando com isso. Mas com certeza de fornecedores não foi. Foi mais ou menos como recebi. Eu gostaria de ter entregue a prefeitura sem nenhuma dívida, mas qual é o pai de família que ganhe R$ 1.000,00 e amanheça o dia ganhando R$ 600,00, como é que vai manter a sua casa, os seus pagamentos em dia? Foi o que aconteceu na prefeitura”.

Imprensa: “Infelizmente Mossoró tem um domínio muito grande dessa imprensa rosadista. Praticamente 80% das rádios, jornais e TVs são ligadas a esse grupo político. Então eles se reuniram para fazer uma oposição sistemática contra nossa administração”.

Rosalba: “Compare, veja os sete primeiros meses de nossa administração e veja os dela. O que é que ela fez [Rosalba]? As tecnologias que implantamos na nossa gestão, ela não deu prosseguimento. Os postos de saúde estão piores. A UPA, que aumentamos os médicos, ela diminuiu. Fechou o PAM aos sábados. A maternidade [Almeida Castro] está abandonada pela atual gestão. Na segurança, ela fechou as Bases Integradas Cidadãs e olhe a quantidade de assaltos e homicídios. O parque municipal está abandonado. O asfalto sorrisal, que se der uma chuva leva. Ortopedias e cirurgias eletivas estão suspensas pela atual gestão. Por que a oposição não diz isso? É um governo de faz de conta”.

Projetos: “Os projetos que foram lançados até agora pelo governo Rosalba são projetos que já existiam na nossa gestão. Ela fechou o serviço e reabriu com outro nome. Uma prova disso é o consultório de rua. A cidade está escura. Com a limpeza falha. A cidade continua esburacada, embora que nesses seis primeiros meses a Prefeitura tenha recebido o dobro de royalties que eu recebi”.

Comissionados: “A prefeita fez de conta que reduziu cargos, mas não reduziu. Disse que iria nomear 50% dos cargos comissionados, nomeou os 100% e ainda criou uns 40 cargos na Secretaria de Cultura. Então é um governo de faz de conta”.

Segurança: “Quando bancávamos as BICs, as pessoas achavam que era só aquele prédio ali. O prédio servia de base. A polícia estava na rua. 40% da polícia que tinha em Mossoró eram pessoas que a prefeitura estava pagando a diária. A prefeita Rosalba fechou as BICs, acabou com as diárias e a quantidade de assaltos triplicaram. A quantidade de mortes duplicaram. Só porque isso não dava voto eu deveria cortar? Não! Eu tinha a obrigação como prefeito de melhorar a qualidade de vida das pessoas. E pode ter certeza que a violência piorou muito depois que a prefeita fechou as BICs”.

Ônibus: “Se não tivéssemos colocado os ônibus nas ruas… O ônibus é quem leva os estudantes com meia passagem. Quem leva os deficientes de graça. Tem que melhorar? Tem que melhorar muito. Mas, demos o primeiro passo”.silveira11

Deixe uma resposta