quarta-feira, 25 Abril, 2018.

Arquivos diários: 19 de dezembro de 2017

Previsão é de chuvas acima da média no RN em 2018, diz Emparn

A Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) divulgou nesta terça-feira (19) a previsão climática para o ano de 2018 no estado. E, de acordo com o órgão, três fatores favorecem a ocorrência de chuvas acima da média para todo o território potiguar.

Segundo o meteorologista da Emparn, Gilmar Bistrot, a ocorrência do fenômeno La Niña no Oceano Pacífico, com previsão de permanência, a atividade solar em fase de mínimo e as condições do Oceano Atlântico contribuem para a produção de chuvas sobre o Semiárido nordestino e em particular sobre o RN.

Na ocasião, o diretor presidente do Instituto de Gestão das Águas do Rio Grande do Norte (Igarn), Josivan Cardoso, ressaltou a atual situação dos 47 reservatórios monitorados pelo instituto, que têm média de 12% de suas capacidades. Como exemplo, citou a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, que é a maior do estado e que está com 12,5% de seu potencial hídrico.

Ainda de acordo com o Josivan, se mantidas as previsões de chuvas para 2018, poderá haver uma recuperação de 30 a 40% da capacidade hídrica dos reservatórios.

Seca histórica

Em setembro, o governo renovou o decretou de situação de emergência por causa da seca em 153 municípios do estado. Com validade de 180 dias, foi a nona vez seguida de decretação de emergência devido à estiagem que já dura pelo menos seis anos consecutivos. Segundo o próprio governo do estado, a seca que atinge o RN é a pior já registrada na história.

De acordo com a publicação, estima-se que o setor agropecuário, incluindo-se a pesca do Rio Grande do Norte, venha sofrendo, anualmente, uma perda de receita da ordem de mais de R$ 4 bilhões(72,30% na agricultura; 27,70% da pecuária) por causa da estiagem.

Por G1 RN – Foto: Anderson Barbosa e Fred Carvalho/G1

barragem_26

Governador do RN ainda não sabe quando nem quanto vai receber de ajuda financeira da União

governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), ainda não tem definidos a data para o recebimento da ajuda financeira que ele foi buscar em Brasília junto ao governo federal nem o valor que o estado deve receber para poder pôr em dia o pagamento dos salários atrasados dos servidores públicos.

Nesta terça (19), em nota, Robinson disse que estava no Distrito Federal trabalhando nas providências legais para conseguir a liberação dos recursos o mais rápido possível. “Vim para Brasília e, ontem mesmo, fui recebido pelo presidente Temer e pelo ministro do Planejamento, Diogo Oliveira, para definições de formato e datas para a liberação dos recursos – da ajuda federal que estamos, com muita luta, conseguindo viabilizar neste final de ano”, explicou.

E acrescentou: “Hoje, estamos aqui trabalhando nas providências legais para que essa liberação ocorra o mais rápido possível. O ministro Diogo e o presidente Temer marcaram para a próxima segunda-feira (25) a publicação da medida provisória com a referida liberação. Estamos tentando encurtar esse prazo”.

Por fim, o governador destacou: “Estamos juntos, lado a lado, nessa batalha. Estou focado em todas as medidas necessárias para que nada impeça que esses recursos cheguem ao nosso estado e às contas dos servidores, o mais rápido possível”.

Socorro de R$ 965 milhões

O Tribunal de Contas da União (TCU) liberou o envio de recursos do Governo Federal ao Rio Grande do Norte com o objetivo de custear as despesas com a folha de pessoal do Estado, que estão em atraso. O Governo do RN pediu socorro financeiro de R$ 965 milhões ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Contudo, a pasta vinculada à União não tem a obrigação de mandar para o estado potiguar o total desse dinheiro.

Pressão

Robinson Faria está pressionado. Ele se reuniu nesta segunda-feira (18) com representantes dos sindicatos dos servidores, mas também não deu previsão para honrar com as folhas de novembro, dezembro e com o 13º salário. Na saída, o carro do chefe do Executivo foi apedrejado pelos funcionários públicos, que chegaram a entrar em conflito com seguranças (veja vídeo acima).

PM aquartelada

Sem receber salários, e sem qualquer definição de um calendário de quando o pagamento será feito, a Polícia Militar amanheceu aquartelada nesta terça-feira (19). Na capital, em cidades da Grande Natal e também em cidades do interior, pelo menos 60% da frota ficou aquartelada e não saiu às ruas. O protesto foi batizado de ‘Segurança com Segurança’. Associações de praças explicaram que a medida é para dar segurança aos policiais e bombeiros militares que, sem receber salários e sem condições estruturais de trabalho, se negaram a sair em patrulhamento.

Por G1 RN – Foto: Thyago Macedo/G1

robinson3

Mossoró: Justiça determina que Caern restabeleça fornecimento de água

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) obteve na Justiça potiguar a determinação para que a Companhia de Águas e Esgotos do Estado (Caern) restabeleça o fornecimento de água potável, no prazo de 60 dias, em Mossoró, para todos os imóveis conectados à rede de abastecimento dos bairros Santa Delmira, Conjunto, Integração, Bom Jardim, Santo Antônio, Monsenhor Américo e Vingt Rosado. A decisão é da 3ª Vara Cível da comarca.
Na ação civil pública, a 2ª Promotoria de Justiça de Mossoró alegou ter recebido inúmeras reclamações de consumidores em relação ao desabastecimento de água em diversos bairros da cidade. A   partir   de   informações   levantadas, verificou-se que o  serviço de abastecimento de água tem sido irregular e ineficiente ao longo dos anos, com o agravante de não existir solução definitiva para o problema.
Na investigação, a unidade ministerial ainda constatou que a Caern presta serviços com problemas desde 2010, quando as primeiras reclamações dos moradores dos bairros atingidos foram encaminhadas ao Ministério Público – e também ao Procon.
De acordo com a legislação federal, a prestação  de  serviços  públicos  por  concessionárias  e permissionárias deve satisfazer as condições de regularidade, continuidade, eficiência, segurança, atualidade, generalidade, cortesia na sua prestação e modicidade das tarifas.
caern-660x330

Barroso e Gilmar Mendes batem boca no Supremo sobre investigação da PGR

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes protagonizaram hoje (19) mais um embate no plenário da Corte em torno de questões relativas a investigações contra políticos.

Após Mendes repetir críticas contra o trabalho da Procuradoria-Geral da República (PGR) nas denúncias contra o presidente Michel Temer, Barroso ergueu o tom de voz para afirmar que “vivemos uma tragédia brasileira, a tragédia da corrupção que se espalhou de alto a baixo sem cerimônia”.

Barroso recorreu aos elementos de prova anexados à denúncia para defender o trabalho da PGR. “Eu gostaria de dizer que eu ouvi o áudio ‘tem que manter isso aí, viu’. Eu quero dizer que eu vi a fita, eu vi a mala de dinheiro, eu vi a corridinha na televisão. Eu li o depoimento de Youssef. Eu li o depoimento de Funaro”, disse o ministro ao citar episódios recentes.

“Eu não acho que há uma investigação irresponsável. Há um país que se perdeu pelo caminho, naturalizou as coisas erradas, e nós temos o dever de enfrentar isso e de fazer um novo país, de ensinar as novas gerações de que vale a pena fazer honesto, sem punitivismo, sem vingadores mascarados, mas também sem achar que ricos criminosos têm imunidade”, acrescentou o ministro.

Antes, Gilmar Mendes havia classificado a investigação conduzida, no caso pelo ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de caótica, contraditória e mal feita, representando “vexame institucional completo de gente que não sabe investigar. O que nós estamos vendo aqui na verdade é um grande caos. Uma grande bagunça. Serviço mal feito, apressado, de corta e cola”.

“As pessoas ficam entusiasmadas, havia aqui inclusive no plenário uns poucos janozistas”, disse Gilmar Mendes.

Controvérsia

Um dos principais pontos de discordância entre os ministros diz respeito a uma gravação feita pelo empresário Joesley Batista, da JBS, de uma conversa com Temer, na qual o presidente diz a frase “tem que manter isso aí”, que, para Janot configura anuência para a compra de silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O áudio foi anexado por Janot a uma denúncia de obstrução das investigações contra Temer, mas depois teve sua autenticidade questionada por não ter sido alvo de uma perícia prévia pela Polícia Federal (PF).

A discussão entre Mendes e Barroso se deu durante o julgamento, na manhã desta terça-feira, sobre a continuidade das investigações contra os denunciados sem foro privilegiado no STF, após a Câmara ter decidido, em outubro, barrar o prosseguimento da denúncia por organização criminosa contra o presidente Michel Temer.

Por Felipe Pontes – Repórter da Agência Brasil

ministros-luis-roberto-barroso-e-gilmar-mendes-divergiram-sobre-acao-em-

230 mortes violentas em Mossoró

O Centro de Operações da Polícia Militar (COPOM),registrou a morte violenta de número 230 no início da manhã desta terça feira 19 de dezembro de 2017 em Mossoró no Rio Grande do Norte.
A ação criminosa ocorreu na rua Pedro II no bairro Paredões.
A vítima identificada como Ivanilson Ferreira de Sousa 45 anos estava na calçada de uma residência quando foi morto com vários tiros de pistola.
De acordo com informações,a vítima que seria parente de Loba da Cobal que foi assassinada no ano passado,trabalhava como verdureiro e tinha acabado de chegar em casa quando foi surpreendido pelo criminosos que atiraram várias vezes contra ele.
A Polícia suspeita que a morte de Ivanilson esteja relacionada com dívida com traficantes, uma vez que o.mesmo era usuário de drogas.
Uma ambulância ALFA com suporte avançado do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192),foi acionada e constatou o óbito.
A Polícia Militar isolou o local de crime até a chegada do Instituto Técnico-Científico de Perícia ITEP,que removeu o corpo para a sede do órgão.
Texto e foto: blog Passando na Hora
aa

Veja também

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com