Cerca de 350 crianças estão sem creche no Sumaré

A reforma da Unidade de Educação Infantil Maria Caldas, que teria como objetivo substituir o teto, que está comprometido por conta de cupim e corria o risco de desabar, e está paralisada, causou a suspensão das aulas para cerca de 350 crianças que estão sem poder frequentar à creche, no bairro Sumaré.
A dona de casa Lucia Geiza, que tem uma filha que estuda na creche desde o ano passado, relatou a tristeza e indignação diante do fato. Segundo ela, muitos pais precisam da creche porque têm de trabalhar e não tem com quem deixar as crianças. E o que é mais grave: os meninos e meninas atrasam o desenvolvimento na escola.
“É muito triste essa situação que nossas crianças estão passando, nós pais não temos condições de colocar nossos filhos numa escola particular não temos com quem deixar pra trabalhar e muitos das crianças vão se atrasar”, relatou Geiza.
“Faz 3 anos que a creche funciona nesse prédio, nem a fachada foi trocada (está com nome de outra escola), sem falar na limpeza da escola que é precária, a fedentina, tem um cano exposto, é muito suja a creche, não tem limpeza”, acrescentou a mãe.
Os problemas na unidade não são novos. Em abril do ano passado, por falta de pagamento do aluguel do prédio por parte da Prefeitura de Mossoró, o dono do imóvel trancou às portas com cadeados e as aulas foram suspensas.
“Sempre teve problema, no ano passado, não teve pagamento do aluguel, o dono do prédio colocou cadeado e as crianças ficaram sem aula, já faltou bujão de gás para fazer merenda das crianças, isso tudo aconteceu, agora está interditado porque a madeira está comprometida, tem que retirar a madeira todinha para fazer outro telhado, porque pode desabar a qualquer momento, só fizeram a retirada do gesso, a gente não tem uma data concreta de quando vai começar as aulas pra essas crianças”, reclama a mãe.
Texto e foto: Mossoró Hoje
a2

Deixe uma resposta